Principais testes de diagnóstico da hemostase

Tempo de Protrombina (PT)

O factor II, também chamado de Protrombina, é uma glicoproteína sintetizada no fígado. A síntese completa da molécula requer a presença de vitamina K. A sua principal função é a conversão do fibrinogénio em fibrina.

O teste do tempo de protrombina explora a via extrínseca e o tronco comum da coagulação. É medido o tempo de coagulação a 37ºC de um plasma recalcificado posto na presença de factor tissular e tromboplastina que activa o factor X. A medição é feita automaticamente.

Para isso é usado o reagente IL Test TP-Fibrinogénio Recombinante. Trata-se de tromboplastina de alta sensibilidade baseada em factor tissular recombinante de coelho, para avaliar a via extrínseca da coagulação e também para o controle da terapia de anticoagulante oral em plasma humano citratado.

Ao ser adicionado este reagente ao plasma do paciente, inicia-se a activação da via extrínseca da coagulação. Isto resulta finalmente na conversão do fibrinogénio em fibrina, através da formação de um gel sólido. O fibrinogénio é quantificado, relacionando a dispersão de luz produzida durante a formação do coágulo com um calibrador.

Os resultados são mais frequentemente expressos em percentagem por referência a um padrão. A taxa de protrombina (PT) é normalmente superior a 70%, sendo a relação paciente/padrão<1,3. Pode também ser dado o resultado em segundos (valor de referência: 11-45 s).

O tempo de protrombina pode estar falsamente elevado se o doente se encontrar sob o efeito da heparina que possui uma acção antitrombótica) e se o fibrinogénio estiver muito baixo.

O PT é muito utilizado para avaliar a eficácia de um tratamento com anticoagulantes orais, normalmente do tipo cumarínico (varfarina), por deficiência de vitamina K porque é sensível à diminuição de três dos factores dependentes da vitamina K. (Fig 98).

A varfarina bloqueia a carboxilação do glutamato dos percursores dos factores de coagulação, dependente da vitamina K ( Fig 97)

É aconselhável associar à medição do PT um outro teste de coagulação, o aPTT é usado.

Existem variados interferentes como sejam medicamentos, anticoagulantes, hemólise, lipémia, amostras ligeiramente coaguladas.

Devido à falta de padronização da tromboplastina, o PT não é reprodutível de um laboratório para outro, o que torna muito difícil o ajustamento do tratamento quando os doentes mudam de laboratório. Para suprimir este inconveniente, tem sido proposto exprimir os resultados sob a forma de um index INR (International Normalised Ratio).

Este valor (INR) é a razão entre o tempo de protrombina do paciente, expresso em segundos e o tempo padrão. Esta razão é depois elevada a uma potência ISI ou índice de sensibilidade internacional, que caracteriza a tromboplastina utilizada relativamente a um valor padrão. Este índice de sensibilidade internacional pode constituir como um valor de calibração que é obtido com a comparação do reagente a usar com uma preparação de referência Internacional.

O INR constitui assim uma expressão internacional do valor do PT, independente do laboratório onde o teste é efectuado. O valor de INR será 1 quando o tempo do doente for igual ao tempo padrão. Se o doente possuir problemas no processo de coagulação, o tempo de protrombina tende a aumentar. Quanto mais este tempo aumentar mais o INR ultrapassará o valor de 1. Um INR de cerca de 5 está associado a um alto risco de hemorragia. Neste sistema a zona terapêutica situa-se entre 2 a 4, para pessoas com tratamentos com anticoagulantes orais.

Grande parte dos factores dependentes da vitamina K são doseados pelo PT. A hipovitaminose K conduz, portanto, a um aumento do tempo de protrombina. Uma hipovitaminose K ocorre por icterícias obstrutivas e perturbações da absorção.

Uma insuficiência hepática moderada apresenta primeiro um quadro próximo do das hipovitaminoses K, porque os factores dependentes da vitamina K são sintetizados pelo fígado. Mas, desde que a insuficiência hepática exista, ocorre um prolongamento do PT com diminuição de vários factores, frequentemente associado a uma descida do fibrinogénio. Em caso de cirrose, há muitas vezes trombocitopenia e desfibrinogenemia, que contribui para o prolongamento do tempo de protrombina.

No tratamento com anticoagulantes devem ser efectuados testes periódicos para controlo da terapêutica administrada.

A síndrome de coagulação intravascular disseminada é devida a uma activação patológica da hemostase (com formação de trombos fibrinoplaquetários disseminados) que ultrapassa os mecanismos inibidores fisiológicos, traduzindo-se por hemorragias e necroses tecidulares. No decorrer desta doença são consumidas plaquetas e factores de coagulação, que leva a um prolongamento do PT. O prolongamento do PT testemunha, por sua vez, a hipofibrinogenemia e a acção inibidora dos PDF.

 

Tempo de Tromboplastina Parcial activada (aPTT)

            Este é o teste mais utilizado para a exploração dos factores plasmáticos da via intrínseca da coagulação. Com efeito, permite o estudo de todos os factores da via intrínseca e o tronco comum da coagulação, com excepção dos factores plaquetários.

É medido o tempo de coagulação a 37ºC do plasma desprovido de plaquetas, citratado e colocado em contacto com fosfolípidos (cefalina), substituto do fornecimento plaquetário, de cálcio e de um activador dos factores de contacto. Este activador foi durante muito tempo o caulino; actualmente, recorre-se mais a outro activador (sílica). Este activador estimula a produção de factor XIIa e proporciona uma superfície de contacto ideal que permite uma activação funcional do quininogénio de alto peso molecular e calicreína.

O cloreto de cálcio que se adiciona faz desencadear as reacções posteriores, que produzirão a formação do coágulo. Os fosfolípidos são necessários à formação de complexos que activarão o factor X e a protrombina.

O reagente usado para este teste é o Hemosil aPTT-SP (líquido) e contém fosfolípidos sintéticos e sílica que assegura uma reprodução e uma grande estabilidade do produto.

A medição efectua-se com o auxílio de aparelhos automáticos. Os resultados são expressos em segundos e/ou razão em relação ao padrão.

O activador encurta o tempo de coagulação de modo que o aPTT está habitualmente compreendido entre 35 a 45 s. O tempo do doente é comparado com um plasma testemunha. O desvio não deve ultrapassar 6 a 8 segundos e a relação tempo do doente / tempo do plasma “pool” deve ser <1,2.

A medida do aPTT é muito utilizada para regular e vigiar os tratamentos anticoagulantes pela heparina. A zona terapêutica nestes casos é considerada como sendo o valor aPTT 1,5 a 2,5 vezes superior ao valor normal médio.

Este anticoagulante exerce a sua função por interacção com a antitrombina III, que inibe os factores de coagulação, formando complexos estáveis com eles. A antitrombina III ao ser ligada à heparina é activada devido a alterações conformacionais. Este efeito acelera a sua capacidade de inactivar enzimas de coagulação. Depois a heparina dissocia-se do complexo e fica livre para interactuar com mais antitrombina III.

Um prolongamento espontâneo do aPTT de mais de 10 segundos em relação ao padrão, com tempo de protrombina normal, traduz, quer um défice num dos factores da via intrínseca quer a existência de um anticoagulante circulante.

Os défices da via intrínseca mais frequentes são a hemofilia A e B, doença que se traduz por hematomas e hemartroses das articulações. Na doença de Willebrand (diminuição ou falta do factor de Willebrand) existe um aumento do aPTT proporcional ao défice em factor VIII. Muito mais raramente o aumento de aPTT sugere um défice noutros factores de coagulação.

 

Tempo de Trombina (TT)

Este teste serve para o estudo da última fase da coagulação, a transformação do fibrinogénio em monómeros de fibrina.

            Para isso mede-se o tempo de coagulação a 37ºC de um plasma recalcificado na presença de trombina que activa a transformação do fibrinogénio em fibrina. Para tornar mensurável esta curta fase é necessário proceder a uma diluição da trombina.

            Como a trombina é inibida pela heparina, é usado para o teste uma substância derivada de veneno de cobra, reptilase, que tem uma acção similar à trombina mas não sofre a inibição pela heparina.

            Normalmente este valor deve ser inferior a 22 segundos, (normalmente é considerado o intervalo 15 a 20s), mas sofre a interferência de sangue que esteja coagulado ou hemolisado.

O tempo de trombina deve ser realizado antes de outro estudo específico, quando há um prolongamento do PT e do PTT que não possua explicação evidente. O tempo de trombina permanece normal nas deficiências de factor XIII.

            O tempo de trombina está aumentado quando se produz uma hipofibrinogenemia ou quando existe no plasma uma antitrombina. Pode estar aumentado na presença de heparina, PDF, etc.

            A descida do fibrinogénio pode provocar o prolongamento do tempo de trombina e verifica-se nos defeitos de síntese hepática (cirroses, hepatites) ou de fibrinólises. Também ocorre quando o fibrinogénio é de má qualidade. (desfibrinogenemia).

            A antitrombina mais conhecida é a heparina. O tempo de trombina é muito sensível à presença de heparina. Havendo suspeita da presença de heparina (no doente ou no tubo) é necessário fazer o exame com a reptilase que activa igualmente a transformação do fibrinogénio em fibrina, mas que é insensível à acção da heparina.

Se o tempo de trombina não for corrigido pela reptilase significa que existe no plasma uma actividade antitrombina (imunoglobulina monoclonal, PDF).

7 thoughts on “Principais testes de diagnóstico da hemostase

  1. Prezada Carla,

    Meu pai está iniciando a terapia com anticoagulantes orais, e estou preocupada em saber como é monitorado hoje esse paciente? Com que frequência? Há no Brasil a monitorização por monitores pessoais, para medir o INR, como há nos EUA? Quais são os equipamentos utilizados para isso?
    Agradeço sua atenção, e sua valiosa orientação.

    Atenciosamente,

    Leila Cuxenier

  2. Ola Leila.
    Para a monitorizaçao correcta da terapia com anticoagulantes orais deverá fazer uma análise periódica no laboratório designada por tempo de protrombina. A frequência é variável, sendo a adequada de forma a manter o INR controlado. Quantos aos equipamentos pessoais desconheço os que existem no Brasil pois vivo em Portugal.

    À distância de um click.
    Carla cruz

  3. Hola, de momento no exsite tratamiento con ce9lulas madre. Todo este1 en una fase muy inicial de investigacif3n que no presupone que a corto o medio plazo determine nueva terape9utica para la cirrosis mediante ce9lulas madre. En cualquier caso se este1 investigando mucho sobre ello y es conveniente mantener siempre una prudente esperanza.

  4. Minha irmã fará uma cirurgia e o tempo de protombina – controle normal deu 13,5 e os valores de referência são de menos que 02 segundos. Isso poderá interferir no ato cirurgico?

  5. ola Lilian
    Esse valor ainda é considerado normal. Ela esta a tomar alguma medicaçao? A cirurgia é em que âmbito
    Fico a aguardar pormenores.
    Um abraço

    à distância de um click

  6. Fiz cirurgia de dois aneurismas cerebrais na carótida esquerda e coloquei Stents Silk, motivo de hoje usar anticoagulantes, no caso, Bissulfato de Clopidogrel e AAS. Tenho muitos ematomas doloridos pelo corpo e ultimamente após uma leve queda sangrei pelo ouvido direito e na Tumografia estava normal. Uma semana depois, estou com hemorragia no olho esquerdo, que está totalmente com sangue escuro, sem motivo aparente.Fiz 4 exames da vista e com ela também estava normal.
    Pelos exames de sangue que fiz deu ; Tempo de Protrombina: resultado 10.1 ” E. Atividade:167%
    INR: 0,87 ”
    A Tromboplastina Parcial – (TTP)
    Resultado: 27.5 ” Gostaria que alguém que entendesse do assunto me respondesse, pois moro em Belém e meu médico em S.Paulo, e um exame pedido por ele não fazem em nossa cidade, que foi : Tromboelastograma .
    Aguardo ainda o resultado do exame de Agregaçõ Plaquetária, que foi recomendado por outro médico, para tentar substituir o que o médico de S.Paulo pediu e só então saber sua opinião.

  7. Oi!
    Vou fazer uma cirurgia mas o meu TP está a 18!
    Nunca tinha tido problemas de coagulação, já tive um parto sem complicações há 2 anos e 4 cirurgias há bastante tempo sem problema.
    Obrigada

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

CommentLuv badge